Leituras

Sua série preferida - Carolina Papini

Se imagine assistindo sua série preferida na TV enquanto come uma deliciosa pipoca. Eis que, de repente começam a surgir três, quatro, cinco pequenas telas, as quais passam a mesma série porém, cenas diferentes. Vai ficar confuso, né? Nessa altura você não sabe para onde olhar, o que faz com tanta informação e quando percebe, a pipoca acabou e você nem aproveitou.

Você sabia que esse tipo de confusão acontece em nossas vidas sem muitas vezes nos darmos conta disso?

Todos nós carregamos um filme dentro de nós, o qual conta sobre situações ocorridas e a maneira que naquela época, conseguimos reagir e lidar com elas. São nossas memórias, constituídas de fatos mais - e menos - significativos. Os fatos mais significativos geram marcas, nós as carregamos até a vida adulta e é através delas que desenvolvemos as chamadas “mentes paralelas”.

São partes de nós que ficam ligadas a fatos marcantes da história de vida e que tem a capacidade de agir e reagir no mundo. A mente do adulto que deveria ser integrada a sua realidade atual, é fragmentada ao ficar presa em situações do passado.

Criamos várias mentes paralelas como se fossem personagens da nossa história. Eles nos acompanham onde quer que estivermos e muitas vezes são eles que respondem as situações atuais, e não nosso ser adulto.

Vou citar um exemplo. Imagine uma criança que passou por muitas situações de injustiça. Quando adulta, em um relacionamento ou em uma situação qualquer, ela pode se sentir injustiçada ou muito desconfiada, ela estará se posicionando através de uma mente paralela, a qual provocará mal estar, conflito e ilusão. Isso acontece pois a maneira que ela recebe o fato ou falas e a resposta que devolve a outra pessoa não está acoplada na realidade, mas sim fazendo parte de um passado não elaborado.

Nesse caso acontece o mesmo que a série, sem saber ela inclui capítulos da história que já passaram, numa cena atual.

Devemos sintonizar em nosso canal chamado “presente”, no aqui e agora. Diferentemente da série da TV que podemos apenas ver e ouvir, nosso presente desperta os cinco sentidos e nos dá a possibilidade de ver, ouvir, sentir o gosto, o cheiro e o toque, nos da a qualidade da presença e existência no mundo.

Uma mente presente e íntegra tem a capacidade plena de se relacionar através do respeito e compreensão, é coerente. A partir de agora, em toda conversa, relação ou situação em que se sentir "ofendida", “chateada”, “nervosa”, “injustiçada”, vale se perguntar: Com qual parte minha essa pessoa está falando? Em qual cena da minha história me senti assim? Qual parte minha, ao se manifestar dessa forma, precisa ser curada?

Após a consciência da cena e do sentimento, primeiramente aceite o acontecido, em seguida se faça outra pergunta: O que aprendi com essa situação do passado?

Consciência, aceitação e aprendizado são processos de cura para as mentes paralelas. São processos que abrem portas para a vida, o prazer e o amor.

Que sua cena atual seja preferida e única no filme da sua vida.